terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Carta de Jackson a Alceu Amoroso

Cartas de ontem e de hoje

Aproveitamos com muito prazer a colaboração do Sr. Abib Netto, de Mogi das Cruzes, que nos envia uma carta de Jackson de Figueiredo a Alceu Amoroso Lima (Tristão de Athayde). Embora as cartas de ambos já hajam sido publicadas pela Editora Agir sob o título “Correspondências”, muitos leitores talvez não as conheçam, - e a de hoje é uma interessante amostra, marcando um momento decisivo na vida do fundador da nossa Revista.

Rio, 22/23-2-28

Querido Alceu!
           
Já aqui estou , de volta do retiro em Friburgo. Mais contente com Deus, mais descontente comigo, mais tranqüilo com a consciência, mais desconfiado do coração.
           
Enfim, está é a verdade: não noção vital do que é a Igreja (e até do que vale a sua força meramente discursiva) sem mergulhar-se num retiro. E depois, como não se lucra na perda de ilusões sobre nós mesmos! Porque não é brinquedo debruçar-se a gente durante três dias e três noites sobre a própria miséria interior.

Eu, pelo menos, ganhei isto: a certeza, desta vez, de que só do sobrenatural posso esperar solução do meu caso psicológico – pobre estragado por tantas perversidades do mundo. De mim mesmo é impossível. O mais que eu próprio poderei fazer em bem de mim mesmo é manter-me, como até agora, em atitude agressiva contra tudo quanto, em mim, me pareça amável, delicado, anuançado, propriamente lírico.

            Entreguei o seu livro ao velho Madureira, figura de santo.
            Com o Franca conversei muito sobre você.
            Estamos, pois, de novo, face a face.
            Adeus, meu querido Alceu!
            Um abraço do seu velho,
            Jackson

CARTA de Jackson de Figueiredo a Alceu Amoroso Lima. A Ordem, Rio de janeiro, v. 32, n. 48, p. 243, jul./dez. 1952

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba nossas atualizações