terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Valerá a pena mentir?

"Dize-me: valerá a pena mentir?" - perguntei, um dia, a um estudante. - "Não!" - respondeu-me com firmeza. - "E então porque? - Porque, cedo ou tarde, a mentira é descoberta, e, então, adeus honra!".

Isto é ainda um argumento. Não poderemos imaginar uma situação mais vergonhosa que a de um jovem que até agora era rodeado de consideração e respeito, em cuja palavra se acreditava, e que acaba de ser apanhado em flagrante delito de mentira. É muito verdade que, cedo ou tarde, todo o mentiroso é conhecido por tal.

"Bom! - diz um outro - não se minta, se se é um poltrão! Mas, quando se é inteligente, pode-se bem mentir. Quando previamente se pensou no que se há-de responder a tal ou a tal pergunta que poderá vir a ser-nos feita, o triunfo é certo".

Admitamos que isso aconteça uma vez. Isso não acontecerá sempre, nem por muito tempo, crê-me. "Embora o burro se esconda detrás da porta, ficam-lhe sempre as orelhas de fora" - diz um provérbio. É em vão que um outro adágio latino adverte o mentiroso de ter uma boa memória - "mendacem oportet esse memorem" - cedo ou tarde, o mentiroso enrolar-se-á em suas contradições; ser-lhe-á preciso cobrir uma mentira com outra mentira para que a primeira fique pouco verídica; a segunda mentira chamará uma terceira, esta uma quarta, e assim por diante. Aquele que abandona o caminho da verdade depressa se encontra em terreno alagadiço e nele se atola cada vez mais. A partir do dia seguinte, esqueceu o objetivo da mentira da véspera, e, em breve, é a vergonha e a desonra. A mentira é um monstro gerado pela língua; e os monstros de nascença nunca têm longa vida.

Mas suponhamos que a mentira fica oculta. Há pessoas suficientemente hábeis para não se deixarem apanhar. Reflete ainda um pouco no que haverá de seguir-se. É próprio do jovem sério e ponderado ver, não somente os resultados imediatos de suas ações, mas também pesar-lhes os efeitos mais afastados.

O mentiroso não foi, então, descoberto. Mas, quando está só em casa, a voz flagrante do remorso fala-lhe do fundo da consciência: "Não tens caráter. Ninguém se pode fiar em ti"! E esta voz que o acusa faz-lhe passar momentos amargos.

- Sim, meu filho, desgraçado daquele que se deixa ir para a mentira! A mentira vem das profundezas obscuras onde o diabo tem a sua morada, e é por isso que ela ensombra a alma, é por isso que ensombra até o rosto do mentiroso. Este tem grande medo de ser traído pelo olhar. Lê somente a queixa d'Efigênio:

Maldita a mentira! Ela não alivia,

Como o fazem as palavras de verdade:

Sua asa negra o coração asfixia!

(Goethe)

Modernamente, os médicos não receitam já tão frequentemente como outrora venenos para curar, porque sabem que, se os venenos curam certas doenças, podem causar outras muito mais graves, que as que curaram.

É exatamente o caso da mentira. Na ocasião, parece ter-nos livrado de um dissabor; mas o seu efeito desastroso não tarda a fazer-se sentir sob vários aspectos.

Chegasse-se embora a abafar a voz da consciência; um dia virá - o do último Juízo - em que Deus Eterno (a quem o mais hábil mentiroso não saberá nunca enganar!) porá em plena luz todas as mentiras, todas as hipocrisias e todas as manhas da terra. "Os lábios mentirosos causam horror ao Senhor" - diz a Sagrada Escritura (Provérbios XII, 22). Deus é a mesma Verdade; a cada mentira nós renegamos, nós desfiguramos a semelhança da nossa alma com Ele. Diz-se que a raposa, caída em armadilha, rói o próprio pé ou a cauda para se salvar. Aquele que tenta preservar-se de um mal pela mentira faz muito pior: rói a sua honra, o seu caráter.

É uma covardia mentir! É heroísmo ficar, a todo o custo, fiel à verdade!

Conseguiste alguma vez tirar proveito de uma mentira? Pagaste-o demasiado caro. - Chegaste a evitar um mal qualquer por uma mentira? Caíste num mal muito maior. - Com uma mentira ganhaste o respeito dos outros? A teus próprios olhos perdeste a honra.
----------------------------------------------
*Extraído do livro: TOHT, Tihámer. O jovem de caráter. [S. L.]: Coimbra, 1963.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba nossas atualizações