terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Saberás dizer: não?

Um rapaz não pode gloriar-se de ter um caráter firme, se não souber nunca dizer não. Quando o turbilhão das paixões e dos desejos instintivos te assalta, - quando, depois de uma ofensa, a lava da cólera sobe e quer irromper pela tua boca, - quando a tentação te chama ao pecado, - saberás bater o pé e dizer simples e decididamente: "Não"?

- Não! Nada de destemperos! de leviandades! de discussões sem importância! de passar irrefletidamente a vias de fato!

César quis desabituar-se de palavras irrefletidas contando até vinte, sempre que tivesse de responder a qualquer coisa que lhe desagradava. O método é excelente. Porque? Porque dá tempo de refletir ao nosso eu, que sob a explosão súbita dos sentidos ficará por momentos sufocado. Certo dia um rapaz, com skis nos pés, deslizava rapidamente numa pista soberba através da floresta nevada. No fundo da rampa encontrava-se um abismo profundo. O rapaz corria para ele com a velocidade de uma flecha; mas, a alguns metros do abismo, parou de repente, com um movimento decidido e seguro, e ei-lo de pé junto do precipício, imóvel, como uma coluna de granito.

"Bravo! Magnífico! Onde aprendeste isto?" - gritam de lado.

"Não foi por aqui que comecei, decerto" - respondeu o rapaz.

"Experimentei primeiro, centenas de vezes, a parar junto de declives menos perigosos".

O caminho da vida é também uma rampa com muitos precipícios. Aqueles que não se exercitam a parar, na descida, centenas de vezes, com firmeza, permanecendo imóvel como uma coluna de mármore, dizendo decididamente "não" à tempestade das paixões, acabam, um dia, por cair no abismo e perder-se sem remédio. Exercitar a vontade é manter o espírito constantemente em luta contra a rebelião autoritária do corpo. A alma daquele que cede sem resistência ao menos desejo instintivo não terá firmeza, e um caos temeroso reinará em seus pensamentos... Isto far-te-á compreender a palavra do Senhor:

"O reino dos céus deve ser conquistado e só os fortes poderão alcançá-lo".

A primeira condição para se obter um caráter firme é lutar contra si próprio e impor ordem na floresta virgem das desregradas forças instintivas.

Durante a grande guerra de 1914 repetia-se muitas vezes esta máxima: "A melhor defesa é o ataque". A máxima justifica-se.

É inegável que aquele que começa o ataque tem já certa vantagem sobre o inimigo. O mesmo se passa no combate da alma. O melhor meio de preservar o caráter das derrotas é dar combate, cada dia, ao inimigo escondido e que se chama: preguiça, indiferença, egoísmo, capricho, gulodice, curiosidade ou qualquer outro.

Quem não aprende a dizer não
aos movimentos da paixão,
e nunca sabe resistir
à sua egoísta vontade,
a si se opõe, qual inimigo.
Antes de ter visto o perigo,
arruinou-se com sua vida:
ei-lo vencido - um suicida!

(Weber)

Receio que não possas acreditar o caso que te vou contar.

É tão surpreendente ver um homem possuir um tão alto grau de perfeição! Mas ouve-a, contudo: um grande sábio de história, natural, de nome Abausit, vivia em Genebra. Todos os dias media a pressão do ar e registrava-a cuidadosamente, havia já 22 anos. Um dia, uma criada que entrara de novo ao seu serviço, começou o seu trabalho por uma grande limpeza no gabinete do seu amo. Este perguntou-lhe, ao entrar: "Onde puseste os papéis que estavam aqui, junto do barômetro?" - "Queimei-os, Senhor: estavam tão sujos! Mas pus em seu lugar papéis limpos". - Pensa um pouco no que tu terias respondido a esta mulher!... E o que lhe respondeu o sábio? Cruzou os braços (talvez para reprimir a tempestade que ameaçava desencadear-se), e disse tranquilamente: "Acabas de destruir o resultado de 22 anos de trabalho. Peço-te que, de futuro, não toques em nada no meu gabinete".

Esforça-te, uma só vez que seja, por ficar também calma em face de uma contrariedade muito mais insignificante!

Sabes porque é que um grande número de rapazes tomam o hábito de fumar? (Há-os que sabem que é uma paixão completamente ridícula, mas isso não impede de continuarem). Pensas que é porque encontram gosto no tabaco? Não. Fumam porque os outros fumam... Porque é que um rapaz critica tudo e todos sem razão? Porque toma atitudes levianas? Porque vê os outros fazerem assim... É necessário uma alma muito forte para ousar defender os verdadeiros princípios de moral numa sociedade com pontos de vista inteiramente diferentes. É necessária uma coragem inquebrantável para não ceder nunca perante quem quer que seja sobre suas convicções religiosas. Mas o caráter daquele que não tem esta coragem, é ainda muito fraco, está longe de ser completo.

Ai! Conheço rapazes que se portariam como heróis, se houvessem de bater-se em rija batalha, mas que se envergonham de confessar em sociedade a sua fé, que têm o maio receio do "que se dirá?". Há um número considerável que, apesar da sua nobre concepção moral, preferem rir dos ditos grosseiros que ouvem e dizê-los eles próprios também, unicamente porque os outros assim procedem.

Um jovem de caráter firme nunca perguntará: "como procedem os outros?" - para os imitar; "como falam os outros?" - para falar como eles. A flor abre o seu cálice aos raios do sol nascente e, sem se preocupar com o que fazem as outras flores, banha a sua cabecinha perfumada no orvalho macio que a rodeia. Frente ao sol! A águia não se volta, receosa, para ver o que se passa à sua volta e verificar se os outros pássaros a seguem no voo; voa como uma flecha para os cimos mais altos. Frente ao sol!

Coração ao alto, "ad astra" - frente ao sol! - é também a máxima do jovem que quer vir a ser um caráter.

É um grande bem, como vês, saber dizer não energicamente quando se apresenta uma ocasião oportuna.

Dize não aos teus companheiros, quando te incitarem a praticar ação proibida. Grita não às cegas exigências dos teus instintos: não a todas as tentações que pretendem prender-te na sua rede de afagos traiçoeiros.
-----------------------------------------------------
*Extaído do livro: TOHT, Tihámer. O jovem de caráter. [S.L]: Coimbra, 1963.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba nossas atualizações