terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Liberdade

Liberdade! Esta palavra, mais que nenhuma outra, possui um encanto mágico aos olhos da juventude. Crescer livremente! Desenvolver livremente! Viver tão livre como as aves! É instintivo, foi o Criador que lho deu, e se foi Deus que lho deu, Ele fixou certamente fins muito elevados a este instinto. O fim deste instinto de liberdade inato na juventude não pode ser coisa tão trivial como fazer o maior barulho possível durante o recreio, ou subtrair-se à disciplina do liceu ou colégio. O fim real deste desejo nas almas juvenis não pode ser senão a força da resistência contra tudo o que poderia impedir o desenvolvimento do seu ideal.

Todo o desejo da liberdade, meu filho, tem, pois, por fim assegurar a possibilidade do teu desenvolvimento espiritual!

Daqui se conclui que não deves lutar contra todas as regras a que estás sujeito (isto seria desregramento moral), mas somente contra as paixões, as suas inclinações, os obstáculos que poderiam barrar o caminho ao desenvolvimento do teu caráter. Abstém-te, pois, de combater as coisas que te mortificam - mesmo as dificuldades - que auxiliam o teu progresso. A videira não deve repelir a empa colocada junto da cepa, porque ela não está lá senão para permitir aos tenros rebentos que se elevem apoiando-se nela.

Todo o instinto, deixado a si mesmo, é cego, e o instinto de liberdade tanto como os outros; se foge ao comando do bom-senso, arrasta o homem à ruína. Eis porque assistimos quase quotidianamente a este fenômeno desconcertante: muitos jovens se perdem porque compreendem mal a liberdade. Os instintos que os subtraem ao controle do bom-senso arrastam-nos às cegas para as coisas que são, talvez, boas na aparência, mas que, de fato, são prejudiciais e fazem-nos recuar perante aquelas que, parecendo embora difíceis, seriam, contudo, necessárias ao harmonioso desenvolvimento de suas almas. É este pensamento que um estudante exprimia assim em carta a um amigo: "Desde que meu pai me permitiu fumar, renunciei eternamente ao tabaco; já não encontro no fumo prazer algum". Exemplo flagrante do desejo de liberdade deformada que vê todas as permissões e proibições como intervenção arbitrária.

Nesta idade - na tua idade, meu filho - o desejo mais ardente de todos os jovens é tornarem-se livres e independentes. Ora, é necessário, portanto, que os jovens compreendam e colaborem com eles nesse sentido. Mas, ai! muitos não procedem assim. Querem ser independentes imediatamente, quando deveriam primeiro aprender a sê-lo. Para estes, ser independente consiste em se eximir às ordens dos pais e superiores. Não fazem nenhuma ideia da verdadeira independência interior que lhes daria a força, a liberdade e o domínio do mau humor, dos caprichos, da preguiça e doutras deformidades da vida instintiva.

Como poderás tu trabalhar sabiamente para adquirir a tua independência espiritual? Considerando as ordens de teus pais, as prescrições do colégio, os teus deveres cotidianos, como meios de vencer a preguiça, o mau humor, os caprichos, o trabalho demasiado superficial, a tua falta de experiência, - e não como limitações insuportáveis à tua liberdade, as quais te propões banir logo que possas. Aquele que considera as ordens por este prisma e que observa o seu regulamento por este motivo, trabalha certamente para a liberdade da sua alma.

Deo servire regnare est, - diz a máxima latina: "Servir a Deus é reinar". O ideal da educação cristã é que o jovem se desenvolva harmoniosamente no corpo e na alma.

Para o cristão, o corpo é tão sagrado como a alma. Cremos que ele nos foi dado para nos ajudar a atingir o nosso fim eterno. Cremos que o corpo humano foi santificado pelo próprio filho de Deus, quando Ele se dignou encarnar. E cremos que, um dia, o nosso corpo partilhará da nossa eterna bem-aventurança.

Já vês que o Cristianismo não vê nada de diabólico nem de mau no corpo. Não quer arruiná-lo nem enfraquecê-lo. Todos os seus esforços tendem somente a fazer dele um colaborador obediente ao serviço dos ideais eternos. Os mandamentos da religião prendem-te severamente, é verdade, mas não prejudicam, no entanto, a tua liberdade. Muito pelo contrário, ajudam e garantem a elevação da alma para as alturas.

Prendem-se as hastes da videira a uma estava, não para entravar a sua liberdade, mas para assegurar a boa orientação do seu crescimento. Lá disse o poeta Weber:



A sujeição te faz livre!

olha a videira ligada:

foi atada a uma empa

p'ra crescer mais aprumada

(Dreizehnlinden)

Como poderíamos nós, cristãos, ficar aquém das exigências da concepção romana? Vê o que Juvenal já então exigia:

"Orandum est, ut sit mens sana in corpore sano;

Fortem posce animum, mortir terrore carentem,

Qui spatiumvitae extremum inter numera ponat.

Naturae, qui ferre queat quoscumque labores.

Nesciat irasci, cupiat nihil, et portiores

Herculis aeruninas credat saevosque labores

Et venere et coenis et plumis Sardanapali.

(Juvenalis, Sátira X)

Em conclusão: uma alma sã num corpo são, capaz de suportar as mais pesadas fadigas, ... auto-domínio, modéstia, sobriedade!

Só as grandes almas podem realizar tudo isto.
--------------------------------------------------------
*Extaído do livro: TOHT, Tihámer. O jovem de caráter. [S.L]: Coimbra, 1963.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba nossas atualizações